A importância do psicólogo na prevenção ao suicídio – CLÍNICA IMED SAÚDE

A importância do psicólogo na prevenção ao suicídio

A importância do psicólogo na prevenção ao suicídio

A importância do psicólogo na prevenção ao suicídio

No nosso artigo anterior nós falamos sobre o Setembro Amarelo e o que ele representa. Se você não leu, dê uma conferida aqui, pois este artigo de agora irá complementar o anterior. Neste artigo nós iremos falar sobre a importância do psicólogo na prevenção ao suicídio. Boa leitura!

O dia 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio e o Conselho Federal de Psicologia (CFP) aproveita a data para chamar a atenção para o papel fundamental da Psicologia na prevenção ao suicídio.

Se você não sabe como surgiu o Setembro Amarelo e porque dia 10 desse mês é o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, recomendamos a leitura deste artigo no Blog do Cartão iSaúde.

Ao ser considerado como problema individual, o suicídio não é reconhecido como questão de saúde pública.

E por isso, algumas ações preventivas não são adequadas, porque desconsideram a natureza multideterminada do fenômeno e garantia de aporte transdisciplinar.

Por isso, o CFP reforça a importância de que a prevenção, assim como o debate sobre as questões relacionadas ao suicídio, depressão e demais ações de saúde metal, devem ocorrer durante todo o ano.

E não apenas em meses temáticos, justamente por abordarem questões de saúde pública da população.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) revelam que a cada ano, cerca de 1 milhão de pessoas tiram a própria vida e um número ainda maior de indivíduos tenta suicídio.

O suicídio foi a segunda principal causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos em todo o mundo no ano de 2016.

Os números apontam o Brasil como oitavo país do mundo em suicídios.

Também se constatam taxas elevadas de suicídio em grupos vulneráveis, que sofrem discriminação.

A importância do psicólogo na prevenção ao suicídio: o que dizem os especialistas

Para o Conselho Federal de Psicologia, a importância do psicólogo na prevenção ao suicídio deve ir além das intervenções estritamente individuais.

E buscar a compreensão das condições de vida que podem contribuir para produzir sofrimentos mentais intensos.

O papel da Psicologia é acolher e ressignificar esses sofrimentos, a partir do entendimento de como são produzidos nas instâncias sociais, históricas e culturais. Sempre em diálogo com outros campos do saber.

De acordo com o CFP, ao discutir o suicídio, não se pode desconsiderar o atual cenário político brasileiro, de retrocessos na Política de Saúde Mental, com o retorno à lógica manicomial e a alteração na Lei de Drogas.

Que permite a internação involuntária de usuários de drogas sem a necessidade de autorização judicial.

Reforçando o modelo de abstinência e das comunidades terapêuticas em detrimento da Política de Redução de Danos e dos Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD).

Para a conselheira do CFP, Ana Sandra Fernandes, a saúde mental do indivíduo está intimamente ligada ao acesso a direitos.

“É impossível falar de saúde mental se não temos acesso a serviços básicos, como saúde, educação, lazer, esporte e cultura”, explica.

Ou seja, falar e desenvolver políticas de promoção da saúde mental é fundamental para proporcionar à população o alcance aos serviços de tratamento e apoio social.

“Saúde mental tem a ver com o bem estar físico e psíquico, mas também tem a ver com o bem estar social. É um tema que devemos debater falando sobre políticas públicas”, conclui.

O psicólogo é o profissional adequado para ajudar as pessoas que estão com pensamentos suicidas, que têm autoridade no assunto, como você pode notar.

E na Imed você pode encontrar os melhores psicólogos por um preço justo. Fale conosco e saiba mais!